+ textos

Histórias de ônibus

É, à vontade dele era de que o ônibus em que estava não parasse em ponto algum, e que não houvesse descida do terminal ao ponto final. Estava lá no fundo do ônibus como sempre, pensando em uma, duas, três coisas. Era o que ele fazia a todo instante: pensar. De vez em quando cantava uma música ou outra bem baixinho para não desafinar ou então para que os companheiros de viagem não o julgassem como maluco ou músico frustrado. De vez em quando olhava também pela janela, mas não estava interessado em nada. “Nada” era a palavra que traduzia o sentir do momento, sentimento. O mundo girava, mas ele continuava estático. De repente o ônibus parou de ranger, ele desceu do ônibus. Mas do mundo não.

9 comentários:

Juliana Silva disse...

boto fé viu?!

eu cansei dessa vida... o vila serrana precisa de férias da minha cara!

;*

Mamanunes disse...

"Os suspeito são suspeitos ou vítimas?"
Meniiino!?!? Isso é muito bom!

Confesso que não tenho conseguido acompanhar seu livro :(
Quando terminhar,
faz uma versão em PDF pra gente
"qui nem qui eu"...
Assim fica mais fácil.
To pregando o olho na telinha, estudando que nem louca esse tal webdesign..affff É de lascar. Mas tem compensações, porisso insisto.
Já que não canto mais, pelo menos encanto hehehehehe
graficamente falando..ai ai ai.
Brigadão pelo seu carinho comigo.
Inté já
bjk

Gabriela disse...

Descer do ônibus e não descer do mundo acontece tanto com as pessoas... cada vez mais...

Criiis ;) disse...

ônibus... como eu viajo dentro deles! Adoro olhar a praia e ficar pensando.. ou as ezes fico observando as pessoas ;x

parabéns pelo post de n° 50!
beijos :*

subby disse...

esses 'nadas' costumam ser tão cheios e pesados q eu nem sei..


te amo
*:

Bruna Battirola disse...

gostei do seu poema

Enterufter disse...

Que coincidência!

Meu post dessa semana também foi uma "história de ônibus", só que teve um desfecho diferente.

E quantas vezes eu não quis cantar no ônibus bem alto mas o receio de alguém me chamar de maluco me impediu. Música é realmente bom demais.

Abraços.

Amanda_Bia disse...

sei bem como é não querer descer nunca do ônibus! querer sumir no fundo do banco e não voltar nunca mais!
beijos!

Ana Fernandes disse...

momento mágico o do ônibus.