+ textos

Desencontros (1)

Ela parecia atrasada. Acho que era uma professora, é, ela tinha cara de professora. Possuía os olhos escuros, inquisidores e um rosto doce e amável. Estava andando com passos apressados, quase correndo, as duas mãos ocupadas com pastas, papéis e uma bolsa.

Ele parecia nervoso. Pela cara eu diria que terminara o namoro ou perdera o emprego. Caminhava rápido e tinha uma expressão de dar medo. Era alto, de olhos acinzentados e rosto de traços fortes. Não carregava nada a não ser uma raiva bem visível.

E eu, Christopher, olhava tudo pela janela do ônibus, de forma tranqüila e observadora. Lia faixas, placas, avisos, letreiros, rostos. Por acaso acabei vendo aquela cena que por mais comum que fosse, me despertou curiosidade. Aproveitei a parada do ônibus pra acompanhar os fatos. Decidi apostar comigo mesmo: tudo ia acontecer como no clichê romântico: um esbarro que se transformaria num encontro. A sorte estava lançada.

Ela estava aflita. Seu rosto era de preocupação pura, dava pena até.
Ele, com os nervos a flor da pele, caminhava.

Eu acompanhava com ansiedade.

Ela perdeu o equilíbrio, e, de forma desengonçada, num instante estava no chão. Também num instante folhas de papel estavam espalhadas por vários e vários metros, pastas voaram longe e ela fazia cara de choro.

Eu fiquei triunfante, o encontro aconteceria. Mesmo não tendo esbarrado no rapaz, ele estava indo na direção dela.

Ela fazia cara de choro e não sabia o próximo passo a dar.
Ele foi chegando mais perto, mais, mais...
Num piscar de olhos passou da moça sem nem perceber que ela estava ali. Um dos papéis dela grudou no pé dele, que por sua vez sacudiu freneticamente até que o papel cedeu.
Ela olhava imóvel julgando com desprezo a atitude daquele rapaz que era o cúmulo da insensibilidade.

Perdi a aposta, fiquei frustrado. Fui muito burro! De tão manjados nem o destino usa mais desses encontros! Mesmo assim ainda aposto que se ele não estivesse cego de raiva os dois seriam um casal bem interessante, pouco original é verdade, mas interessante.
Enfim, não se pode ganhar todas.
Quem sabe outro dia?


-
Quero agradecer ao MH [Bomba MH, recomendo!] e a Fada [Fada Mutante, também recomendo!] pelo selo:



Brigadão!!!

Repasso para: Polecos / Coluna Fantasma / Quintal de Cores

E, como conheci esse brother aqui, não poderia deixar de abrir um espaço para parabenizá-lo...Parabéns ao meu amigo Dannyel! Desejo muita felicidade e motivos para sorrir!
[O niver foi ontem, mas tá valendo]

Abração!

36 comentários:

Éverton Vidal disse...

Hahahaha Muito phoda!
Pensei que vc ia usar o antigo clichê (que na vida real é muito bom, mas nos textos já estao meio batidos) e vc arrasou tudo rsr.

Bacana.
Gostei hehe.
Inté!

carla granja disse...

um lindo texto. passei pelo teu blog e se quiseres visita o meu
bjo carla granja

Eduardo Magalhães disse...

Inocentemente e Insensivelmente imprevisível.
parabéns!

Abraço

Dannyell disse...

show de bola, achei que ja saberia o final da historia...

lembrei inicialemnte de "o homem que copiava", mas depois tomou outros rumos hehehe

muito legal, porem triste...


abraços, vlw pelo selo, em breve postarei os lano blog

alias la tem post novo

http://polecos.blogspot.com

Teka Soares disse...

se isso fosse uma comedia romantica com certeza eles se encontrariam e se apaixonariam...como sempre vc caprichou no final da historia.
Bj**

Enterufter disse...

O "míope" mais uma vez enxergando longe...rsrs

E eu achando que ele ia ajudá-la...preciso atualizar meus conceitos...rsrs

Grande abraço Helder!

Eolo, Senhor dos Ventos... disse...

É a vida e sua milhões de possibilidades.
Ficou muito bom Dexx.
Parabéns.

Abraço.

Amanda Bia disse...

parabéns pelo selo!
mto boa a história! adoro o tom de realismo das tuas histórias!
beijos!

Menina Lunar disse...

No fundo no fundo, eu sabia q tu num ia "mediocrizar" a coisa desse jeito...

:D

Machado de Assis começou assim ;P

Beeeeeeeeeeijo

Scheidex disse...

Gostei... diferente do que se vê por aí...
É como você falou... É tão clichê que ninguém usa mais...
heheheh
abraços
t+

Filipe Garcia disse...

gostei, Helder. Imprevisível, como na vida real!!!

eu já disse q vc escreve mto bem? Gosto do seu estilo literário... pode escrever um livro!!!

abraços

Vita Brevis disse...

Imaginei que eles fossem se esbarrar... é, realmente, o destino não usa mais destes clichês e eu acho que atualmente ninguém mais procura uma cena romântica pra iniciar um novo amor (as coisas estão mais rápidas e diretas, infelizmente)

Adoro seus textos!

Beijos,
Rafa

Dududa disse...

Hahaha eu já esperava que eles nãos e apaixonassem, não sei porque...
ótimo texto ;D
;*

Ana Vitória disse...

É...
O final me surpreendeu! ^^

Gostei!

Juliana Caribé disse...

Oba! Obrigada pelo selo! Passo depois para pegá-lo e para ler com calma.

Beijoca.

Tiago Torigoe disse...

vc ,escreve historias mto bem cara!!

eu soh escrevia dissertações, achava q nao tinha dom,mas to escrevendo bem meus surtos artisticos :P

qm sabe um dia eu naoescreva historias q nem vc tbem!!

falowz

Fernando disse...

Ôpa, meu querido, muito obrigado pelo selo que muito massageia meu ego!

Ainda não li teu texto, mas o farei amanhã mesmo, ok.

Abraços!

Lara Marques disse...

adoro finais inimaginados.parece com o início de outra história. e como tem um "1" ali do lado, fico por aqui aguardando mais uma obra.

Fabio Martins (Dú) disse...

Ainda existe caráter?! Eu me pergunto...
Nessa situação o mesmo sequer não deixou de pensar no próprio umbigo mas enfim como você mesmo disse não dá pra se ganhar todas, muito menos esperar certas coisas das pessoas de hoje.

Abraço.

Menino Yuri disse...

Olá...

Abri um restaurante onde só servimos poesia. Se você um dia preparar um bom prato e quiser compartilha-lo, sinta-se à vontade.

pratododiapoesia.blogspot

By the way, sou míope também... ;]

Juliana Caribé disse...

Ele podia ter descido do ônibus para ajudar... Quem sabe?

Beijos.

Flávia disse...

Demorei mais voltei!

Hum, raiva, ciúmes, inveja...todos essessentimentos cegam e fazem a gente perder pessoas e oportunidades....

Tomara que esse rapaz um dia possa perceber o mal que anda fazendo com ele mesmo!!!

beijos e saudade daqui!!!!

Lidi disse...

Ah, alguem ainda esperava que ele fosse a ajudar? Pura utopia, nessa correria da vida atual, né?!

Mas ainda acredito que amores arrebatadores podem surgir quando menos se espera! Menos quando um Christopher estiver assistindo e torcendo para que isso aconteça.
:D

MH disse...

POis é, a vida tem fugido dos cliches. Principalmente os cliches mais bonitos e romanticos. Pena.

(parabens pelo premio )

: )

Jeniffer Santos disse...

quando vc falou q ele tava chegando mais perto e tive certeza de q ele ia passar direto...
não sei pq... xD

ele não assisti tv,e não ver aquela propaganda
"solidariedade passe-a adiante"

xD

beijos!

Menino Yuri disse...

Quero MAIS do que suas visitas... quero seus pratos servidos no Pratododia!! Quando estiver a fim, mande um pra gente!

Lucas disse...

Gostei muito do seu texto cara... só achei o "seu" nome bem diferente...rs
mais um ponto de vista em meio a multidão

Abraços cara

.: Manuel :. disse...

mt massa o blog :D

o texto então!! ahazô

da uma passadinha no meu depoos

(Y)

- BiAaaAah* disse...

o Christopher foi quem levou uma esbarrada do destino né?! haha

muito bom Hélder!
adoreiii!!!

beijãoo

Priii! disse...

fazer o que se no hoje deseencontros se tornaram raridade e amor artigo de luxo

Enterufter disse...

Te presenteei no meu blog.

Abraços.

Fernando disse...

Bom conto. Clichê mesmo seria se o final fosse com eles se esbarrando, mas ainda bem que pro nosso bem você não fez isso. A cena dele tentando se desvencilhar do papel preso ao pé é caricata demais! Hehehehe.

Mas lhe digo, sabes porque ele nem olhou a mulher? Porque acabara de descobrir que era corno e estava indo à casa do amante de sua mulher matá-lo. E nessa situação, um corno fica cego.

Abraços! E se quiser ver o conto do meme, eu postei. :)

Tyler Bazz disse...

Ahhhhhhh mas isso tá ficando batido até no cinema! Na vida real então...


o/

Lua Durand disse...

quem sabe.

:*

[saudade]

Jane Andrade disse...

'desencontros', minha vida é um permanente desencontro!

bjO =*

te linkei no meu.

Fernando Locke disse...

Companheiro! seu texto foi concreto, foi objetivo, teve quesationamento e conseguiu prender minah atenção! tá de parabéns! além do q, muito comico, ninguémimagina q isso aconteça, mas quem sabe uma hora o destino prega um dessas peças?