+ textos

Feliz Ótica! | Achados e Perdidos SA

Galera, hoje O ÓTICA COMPLETA 2 ANOS!
Muito obrigado por quem visita, lê, comenta ou faz tudo isso.
Pra comemorar, um visual novo e um conto dividido em partes.
Abç!

Achados e Perdidos SA - Caso I - Parte I

Hesitou. Talvez fosse um exagero de sua parte, não, não era. Observou o edifício em que estava hospedado o dilema daquele momento. Era uma estrutura antiga, de influência barroca, com três andares e poucas janelas. Parecia sufocante e aconchegante ao mesmo tempo, talvez pelo tipo de serviço que havia ali.

Louise concluiu que deveria ser aquele o local porque apesar de não ser identificado com placas ou faixas, o endereço era o mesmo. “Achados e Perdidos SA”, um nome interessante na opinião dela. As pessoas na rua já a olhavam de forma desconfiada, então, uniu a coragem que tinha com a pressão do momento e entrou no prédio.

O papel em que havia anotado o endereço indicava que a empresa encontrava-se na sala 515. Olhou desconfiada para o porteiro, que lhe devolveu um sorriso inocente. “Bom ator”, ela concluiu. Utilizou o elevador, que, apesar de antigo estava em boas condições e logo estava em frente à porta 515. Bateu na porta. Uma voz limpa e confiável disse que poderia entrar.

Ao entrar, Louise avistou um homem diferente, ruivo, de olhos inquisidores e um sorriso que não era uma expressão e sim parte do rosto. Não o julgou bonito, mas charmoso. Ele lhe fez cumprimentos e pediu que se sentasse. Ela estranhou a sala, pois possuía pouquíssimos móveis. Em compensação, a mesa que o homem usava possuía uma infinidade de coisas: papéis, correspondências, calendários, mapas, fotos, listas telefônicas, potes de doces e um notebook - modernidade que contrastava com o ambiente antigo.

- Pois não, Srta. Louise. O nosso trabalho é sigiloso e, caso aconteça algum tipo de vazamento de informação, os honorários serão extintos.

- Parece justo, Sr. Benjamim. O caso é que prefiro prevenir que remediar, portanto, o procuro em situação não tão avançada, espero que não me julgue mal.

- Absolutamente. Como as doenças, melhor tratar o caso nos primeiros sintomas que nos últimos.

- Enfim, não vou me prolongar mais, preciso que vocês dêem sumiço em alguém.

(Vá clicando em "postagem mais recente" no final da página para ver as continuações)

5 comentários:

Daniel Simões Coelho disse...

Bom, para ser honesto so vou deixar meu comentario sobre o texto quando ler as duas partes.

Quanto ao aniversário? Parabens.

A historia do blog se confunde com a nossa amizade.

Abraços

Alice disse...

Parabens "!! ....e vc está ha 2 anos escrevendo muuuutooooo bem !!

adoro ler-te.... e coloca logo o resto da história ...hehehhee



bjkassssssssssssssss

Filipe Garcia disse...

Oi Hélder,

também achei surpreendente essa nossa "sintonia" em relação ao conto e ao nome do personagem.

Seu conto introduziu bem essa atmosfera policial, dando-nos o passaporte pra uma história que, com certeza, promete surpresas.

Continuarei acompanhando. Tô doido pra saber quem vai ter que sumir e por que.

Abraço!

Fernando R. Silva disse...

Parabéns pelo aniversário do blogue, meu querido. E também deixarei meu comentário após a parte dois, porque ainda está muito obscuro pra emitir qualquer opinião. Hehehe.

Lucas disse...

Hélder, você colocou alguma "trava" anti copiar-e-colar no seu blog?

Tentei copiar as partes, para junta-lás e le-lás impressas e não consegui.

=/