+ textos

Desencontros (3)

Já era tarde e a rua era só silêncio. Eu adorava a tranquilidade da noite, a falta de luz forte, a ausência de multidões. Enquanto mastigava esses pensamentos, uma mulher baixinha e de traços finos caminhava ligeiramente atrás de mim, provavelmente com medo. Um poste logo a nossa frente estava com a luz apagada. Ela encostou em mim. Quando passamos juntos embaixo do poste a lâmpada acendeu.

- É, parece um sinal. – eu disse, por impulso.

- Talvez. – ela falou com a voz carregada de ceticismo.

Conversamos por um longo trecho, aos poucos fui mostrando que era um sujeito confiável. Ela tinha um jeito de professora, uma linda professora. Vez em quando dava uma risada da minha cara de pau porque eu defendia minha “cantada” e ela defendia a ciência. Acabando nosso trecho juntos eu pedi o telefone, mas ela se esquivava:

- Ah, aprendeu? As lâmpadas dos postes têm um sensor chamado foto célula que acende quando escurece e apaga quando clareia. Provavelmente quando passamos por baixo daquele poste facilitamos o fluxo de elétrons. Pena que você cantou logo uma professora de física, né?

- Obrigado pela aula, mas escute o que eu digo: entre a ciência e o acaso, prefira o acaso uma vez ou outra. Poderia ser qualquer outra pessoa (ou pessoas) passando por baixo de um poste, mas fomos nós: um romântico e uma cética extremamente racional.

- Boa noite, Fernando.

- Tsc. Você é difícil, professora. Boa noite.

Ela subiu a rua e eu a acompanhei com os olhos.

- Talvez a gente se esbarre por aí outra vez. – Disse baixinho.

Lá no final da rua havia um outro poste, dessa vez iluminado. Quando ela passou por ele, escureceu de vez. Tomei meu caminho dando umas risadas pela determinação dela em não olhar para trás. De qualquer forma não queria me dar razão.

5 comentários:

@jujubahia disse...

se o cara tivesse aplicado o "SUA LINDA", ela teria dado o telefone, podes crer. =P
Muito massa o texto, gostei mesmo! ;)

Lucas disse...

kkkkkkkk... no final ela conheceu o maravilhoso e inacreditável "silas" e pensou "maldito poste dos infernos" aushuahsas... massa, Heldão!

Luc disse...

heheheh! Se ela fosse professora de quimica, com certeza tinha rolado algo!

Muito bom.
Abraços mestre,

saudades!

Karla Hack disse...

Bem interessante o texto...
Tem um bom ritmo e um final com sua pitada de ironia... E achei o tema bem próximo do real...

Ah... Achei ótima sua escolha de layout!

;D

introspectivasim disse...

Adorei o texto!
Parece até que eu já um caso desse acontecer...
E adorei o layout também. Estava lendo uns artigos esses dias e me deparei com a frase "menos é sempre mais". Claro que não podemos generalizar mas acho que de "extravagâncias visuais" a blogosfera já está cheia. rs
Ponto pra nós dois :)
Grande beijo!