+ textos

Achados e Perdidos SA #3.1

Não leia a história pela metade, o início está aqui.

---

- Acontece que... Eu preciso ser roubado.

O sujeito vestia um terno escuro, uma gravata dourada com o nó bem feito, sapatos de couro reluzentes... O cabelo era penteado para trás, tinha um nariz aquilino e olhos claros. "Mafioso italiano", chutou Benjamim.

O chefe da Achados e Perdidos SA fez uma cara engraçada de quem não entendeu e disse:

- Perdão, como é?

- Pensei que isso fosse comum por aqui, mas não importa, vou explicar minha situação nos mínimos detalhes: eu trabalho numa grande empresa, muito famosa e influente. Nós trabalhamos com grandes construções: condomínios, residenciais, hotéis de luxo e etc. Muitos destes são construídos até em outros países, como eu disse antes, nossa empresa é famosa.

- Sim, continue, por favor. – Benjamim estava gostando.

- Atualmente nossa empresa passa por problemas financeiros, mas nossas equipes de contabilidade e mídia conseguiram suprimir essas informações e só a parte mais alta da hierarquia os conhece bem.

- Entendo. Obrigado por confiar em mim a ponto de exibir tal situação...

- Não sei se devo aceitar seu agradecimento, Benjamim. Fiz meu dever de casa antes de aparecer aqui. Conheço sua empresa tão bem quanto a minha.

- Era de se esperar de um bom profissional. – Benjamim engoliu seco. O cara era aterrorizante!

- Continuando: atualmente estamos em transações com o Japão, uma grande rede de hotéis quer abrir várias filiais aqui no Brasil. Você deve ter compreendido que esse projeto é o salvador da pátria, os lucros são altíssimos se tudo correr bem... Caso não ocorra...

Ícaro fez uma pausa e colocou no rosto todas as expressões de desespero que conhecia. Continuou sua fala:

- Existe o “caso não ocorra” apenas por um motivo: neste contrato, eles pedem informações altamente sigilosas da nossa empresa, incluindo estatísticas, ou seja, assinaríamos nossa falência automaticamente. Estes dados, nunca foram requisitados em nenhuma transação, mas nós não estamos em posição de exigências.

- Japoneses são desconfiados...

- Eles são ninjas! Concluindo: preciso que você roube estes dados da minha empresa das mãos dos japoneses e os devolva intactos. Eles não pedirão os documentos novamente, pois este ato revelaria seu descuido com nossa empresa e não tendo acesso aos nossos problemas financeiros a possibilidade de fecharem o projeto conosco aumenta consideravelmente. E aí?

- Muito perspicaz, Ícaro, aceitamos seu encargo. – Benjamim não pensou muito.

- Ótimo! Você nem pensou duas vezes. Do que precisa?

- Preciso do maior número de informações que puder me dar, incluindo horários, pessoas, esquema de segurança e dois mil reais para preparativos diversos.

- Vou mandar essas informações o mais rápido possível e transferir o valor para sua conta. Foi um prazer fazer negócio com você, Benjamim, tenha um bom dia.

Ícaro saiu com a cabeça erguida, confiante, enquanto Benjamim avaliava a importância do novo trabalho e calculava, calculava...

(CONTINUA)

2 comentários:

Luma Rosa disse...

Precisava de sócios, mas não entrar em uma fria! Beijus,

Juciele Alves disse...

Eu quero ler a parte 3........
E quero contratar essa empresa tbm rsrs